Confiança à prova na PHC: um desafio em equipa com tempo contado

Dia 15 de maio, 18 horas. 26 PHCs, divididos entre Madrid, Porto e Lisboa, esperavam para entrar numa sala, fechados à chave e deixados à sua sorte – e à sua astúcia. Parece assustador? Não quando o mote é “escape room”, o desafio em que, em equipa, os participantes têm de resolver diversos enigmas para conseguir sair de uma sala temática em menos de 60 minutos. Tic-tac, tic-tac, o relógio começa a contar. Fazemos da Confiança um dos seis valores indispensáveis do DNA da PHC, mas será o suficiente para sairmos vitoriosos deste jogo?

Inserido no programa Fun at Speed da PHC, no qual se integram as atividades sociais e lúdicas da PHC, o desafio do escape room teve um propósito claro: pôr à prova a Confiança entre PHCs, de uma forma repleta de aventuras e gargalhadas. Com seis valores do PHC DNA e 12 meses do ano, somos desafiados a cada dois meses a pôr em prática um dos valores da cultura da empresa. Em maio, coube a vez à Confiança – e que melhor sítio do que um escape room para comprovar que confiamos um nos outros e que trabalhamos em perfeita harmonia?

 

Escapar no Porto, Lisboa e Madrid

Para arrancar da melhor forma, até o próprio convite dos Recursos Humanos para esta iniciativa do calendário Fun at Speed surgiu misteriosamente, em forma de surpresa, como que a pedir confiança no histórico de atividades já realizado. “Este desafio é composto por aventura, enigma, mistério, desafio, tempo limitado, trabalho em equipa, diversão, perguntas difíceis, atenção ao detalhe, rapidez, raciocínio e alguma criatividade”, foi a mensagem deixada para os PHCs, que se inscreveram às “cegas” para esta atividade com lugar marcado fora dos nossos escritórios.

As equipas do Porto, Lisboa e Madrid entraram à mesma hora para os respetivos escape rooms e todas conseguiram deslindar os enigmas e pistas inusitadas em menos de 60 minutos. Prova superada e Confiança ao rubro, em contrarrelógio. Mas mais: os PHCs do Porto deixaram a sua marca para a posteridade no quadro de honra da Escape Challenge Porto, ao conseguirem o segundo melhor tempo de sempre para a sala “Dealer”: 48 minutos e 16 segundos para resolver os enigmas encerrados no jogo.

É na região da grande Lisboa que se concentram a maioria dos PHCs (escritórios do Lagoas Park, em Oeiras) e, por isso, esta foi também a equipa com mais elementos a enfrentar os desafios dos escape rooms. Contudo, para que não fossem em vantagem em relação aos PHCs do Porto e Madrid, a equipa de Lisboa foi dividida em duas salas de jogo, dentro das instalações da Escape2win. Quatro para a sala “Escape the Bomb”, oito para o “Asylum” e muita boa disposição a partilhar pelos dois espaços. No primeiro, os PHCs tornaram-se agentes do FBI para desativar uma bomba traiçoeira (em que cada tentativa errada poderá trazer consequências). Já no “Asylum”, uns começaram presos a uma cama, outros na receção de um antigo manicómio – com o mesmo desafio: cooperar para escapar em menos de uma hora.

No final do tempo e de muitos mistérios resolvidos, o desafio foi cumprido com distinção. A sala “Escape the Bomb” terminou em 58 minutos, enquanto na “Asylum” os PHCs escaparam aos 46 minutos. Pelo meio, trabalho em equipa, cadeados, códigos para deslindar, alguns sustos e muitas, muitas gargalhadas.

Em Madrid, desafio idêntico esperava os 8 PHCs que se voluntariaram para investigar o ficcional “Asasino del Vitruvio” (Assassino de Vitrúvio), da Yaebi, que tem como inspiração o célebre Homem de Vitrúvio de Leonardo da Vinci. Em duas equipas distintas, a prova foi também superada, com tempos de 54 e 58 minutos. ¡Muy bien!

 

Confiança confirmada e reforçada, a prova do escape room foi conquistada nas diferentes localizações da PHC. Mais do que escapar em 60 minutos ou menos, ficam as memórias de uma hora fantástica, em que o ritmo acelerado foi o melhor incentivo à boa disposição. Ficamos a aguardar o próximo desafio Fun at Speed.