5 coisas que tornam a integração na PHC incrível

Cientes da importância de bem receber, somos mestres na arte de acolher e pensámos ao pormenor todos os momentos. Objetivo: sentires-te um PHC e parte da família desde o primeiro minuto.

Cientes da importância de bem receber, somos mestres na arte de acolher e pensámos ao pormenor todos os momentos. Objetivo: sentires-te um PHC e parte da família desde o primeiro minuto.

“No momento em que entrei pela primeira vez na PHC, todos me deram as boas vindas e tive a sensação de que estavam genuinamente felizes com a minha chegada”, recorda a Júlia. Em jeito de throwback, pedimos a alguns recém-colaboradores que recordassem os seus primeiros dias na empresa, e nos ajudassem a “reconstituir” o processo de integração e acolhimento. Garantimos que não os subornámos com pontos abonatórios na avaliação, pedimos apenas sinceridade, com carta branca para exprimirem o que sentem sem filtro.

Por muito entusiasmo que carregues ao peito, o primeiro dia num local de trabalho pode ser aterrador. Queres causar boa impressão. Evitar cometer erros. E, na tentativa comprometida de mostrar a tua melhor versão, sentes nervosismo, ansiedade. Até perceberes que não há qualquer razão para isso. Afinal, já passaste o maior teste de todos – ser contratado –, e a partir do momento em que entras pela porta, a única coisa que esperamos de ti é que sejas tu mesmo. Nós tratamos do resto.

Cientes da importância de um acolhimento orientado para uma eficiente integração em qualquer empresa, o nosso principal objetivo, assim que inicias o primeiro dia, é precisamente esse: garantir que tens o melhor acolhimento possível e dotar-te de todas as ferramentas para que o teu processo de integração seja um êxito.  Seguem-se cinco momentos do nosso processo de acolhimento, que alguns dos nossos recém-colaboradores destacaram:

KIT de acolhimento

Depois de uma visita guiada pela empresa, durante a qual serás apresentado a todos os colaboradores, tempo de fazeres o reconhecimento do teu espaço de trabalho. Para além de todo o equipamento informático, quando chegares à secretária terás à tua espera todo um KIT de acolhimento, onde entre outras coisas, encontrarás o teu “welcome passport” com todos os momentos que fazem parte do processo de integração – por exemplo, apresentação à equipa, reunião de 1.º dia com o líder, reunião dia a dia HR, formação inicial – welcome to PHC, almoço com padrinho/madrinha, apresentação das units, lanche de boas-vindas, entre outros. Objetivo: carimbá-los à medida que acontecem.

Durante os primeiros dias, serás bombardeado com uma “verdadeira injeção de informação”, mas esta pequena “cábula” ajudar-te-á a ter tudo controlado.

Atribuição de padrinho/madrinha

Um misto de sensações e expetativas vão dominar-te por inteiro no primeiro dia, mas queremos que saibas que não estás sozinho e que terás sempre alguém para te apoiar. A melhor forma que encontrámos para te mostrar isso foi atribuir-te um padrinho/madrinha – o teu porto de abrigo, ponto de contacto, que tem como missão alimentar a proximidade e acompanhar de forma ativa o teu dia a dia para todas as questões que possam surgir.

É tão incrível, que até te oferece o almoço no primeiro dia. Não há como não chegares ao final do primeiro dia “a sentir que tens ajuda para o que precisares”, afirma o Tiago.

Formação inicial – welcome to PHC

A formação inicial é transversal a todas as funções e o pontapé de saída é dado por um “Welcome to PHC” que tem a duração de dois dias. Uma oportunidade única de conheceres um pouco da história da empresa, ficares a par do nosso organograma e te inteirares sobre as linhas base do produto. São 16 horas intensas, a tentar absorver todo um mundo novo de informação, mas prometemos que, muito graças ao anfitrião Paulo Alves (o nosso formador de serviço) as gargalhadas fazem parte do programa.

Ao teu lado terás outros colegas acabados de entrar, garantia de que começas logo a conhecer pessoas novas.  Vais chegar ao fim com a sensação de não ter absorvido tudo, mas com a certeza de ficar a “conhecer a PHC mais depressa”, garante o Tiago. “Apesar de nos ser dada uma injeção de informação muito grande, é tudo feito com muita paciência, cuidado e atenção”, concorda a Matilde.

A par do Paulo Alves e da equipa de Recursos Humanos, todos os diretores e líderes das diferentes Unidades estão envolvidos no processo e terás um momento de formação com cada um deles. Isto para não falar da formação no local de trabalho, para garantir que estás apto a realizar a tua função sem problemas.

Lanche de boas-vindas

Escrevemos lanche, porque é o momento mais sonante, de apresentação oficial dos novos colaboradores a toda a empresa, mas a verdade é que há toda uma panóplia de outras refeições solenes contigo à cabeceira. Mas voltemos ao lanche de boas-vindas, para te dar mais pormenores sobre o momento.

Imagina uma sala a rebentar pelas costuras – sim, é impossível cabermos todos na nossa maior sala –, preparada para dar as boas-vindas individualmente a cada um dos recém-chegados. Parece assustador, convenhamos, mas é tão descontraído que no final a única sensação que fica é a imagem de uma salva de palmas em massa dirigida a ti, depois de ouvires soar o teu nome. Ah, e do delicioso bolo que aparece para te brindar no fim.

Play Hard Challenge

Um baralho de cartas misturadas desordenadamente, seis temas – “role play”, “just life”, desenho, mímica, provas corajosas e desafios surpresa –, e três níveis – frio (desafio com duração de 1 minuto), morno (desafio com duração de 2 minutos) e quente (desafio com duração de 3 minutos) –, que influenciam os pontos que recebes. Um dia, pouco tempo depois de entrares, vais ver na tua agenda as palavras “Play Hard Challenge”, sinal de que é hora de jogar. Uma espécie de Party & Company, versão PHC.

“Para além de ser um jogo superdivertido, o Play Hard Challenge é uma dinâmica útil para conhecer os novos colegas, e darmo-nos a conhecer. Os dilemas e desafios que o jogo propõe ajudam não só a mergulhar no universo PHC, como criam um ambiente de descontração que ajuda a ultrapassar a timidez.”, recorda a Joana.  Prova de que levamos estes momentos de descontração muito a sério e os consideramos essenciais como parte integrante do processo, é que fazemos uma pausa no trabalho para priorizarmos o jogo de tabuleiro.

É certo que somos suspeitos a falar do nosso processo de integração e acolhimento – que, para além dos momentos descritos, inclui muitos outros –, mas perguntar “o que sentiste no final do teu primeiro dia?” e ouvir coisas como “já parte da família”, segundo a Júlia, “um grande desejo de fazer parte desta grande equipa”, na opinião do Luís,  e “vontade de aprender, fazer amigos e construir ótimos resultados”, na perspetiva do Fernando, faz-nos acreditar que estamos no caminho certo.

Claro que tudo isto não seria possível sem o empenho de todos os que por cá andamos, sempre prontos a acolher mais um na família: “O meu momento preferido acontece sempre que alguém me pergunta ´precisas de ajuda?´ ou ´tens alguma dúvida?`, porque me faz sentir que na PHC questionar não é um problema”, diz o Tiago.  Muito pelo contrário. Estamos a construir a best experience at work e este é apenas um passo no caminho.

 

Veja também…