7 formas de arruinar o seu CV

Se envia currículos e não obtém resposta, pode está a cometer erros básicos. Descubra como garantir que o seu CV o leva a ser chamado para uma entrevista.

Se envia dezenas de currículos e raramente obtém uma resposta, pode estar a cometer erros básicos que comprometem a sua imagem.

 

Conheça alguns erros que não pode mesmo cometer e conheça as estratégias para garantir que o seu CV o leva a ser chamado para uma entrevista.

 

 1. Erros de português no cv

Um resumo tem de ser gramaticalmente irrepreensível. Basta uma pequena falha ou deslize para que um recrutador fique mal impressionado e conclua que o candidato não sabe escrever corretamente, é desleixado, ou simplesmente não se envolveu o suficiente na tarefa para rever o texto que escreveu. Não há desculpas para erros ortográficos, espaços a mais (ou a menos), palavras repetidas ou em falta. E se usar um corretor ortográfico é uma grande ajuda, não é suficiente para garantir que está tudo bem: reveja o currículo várias vezes e peça a um amigo para o fazer, já que muito mais facilmente deterá erros que lhe passam ao lado a si.

 

2. Imagem descuidada do currículo

Já lá vai o tempo em que os CV eram todos iguais e as “regras” ditavam que obedecessem a um template semelhante, como o modelo europeu. Há áreas, empresas e funções em que é perfeitamente aceitável um modelo de CV diferente e com um aspeto gráfico que o ajude a destacar-se dos outros e mostre a sua personalidade.

O ideal é perceber bem a que tipo de empresa se está a candidatar: por exemplo, uma agência de publicidade ou um departamento de marketing procuram, à partida, pessoas mais criativas, o que lhe deixa espaço para um CV mais “fora da caixa”. Já numa instituição bancária ou governamental, poderá fazer muito mais sentido optar por um modelo mais tradicional e que facilite ao recrutador fazer uma comparação entre vários CV unicamente centrada nos conteúdos. Pesquise, informe-se, tente saber tudo o que puder sobre a empresa e função, para saber até que ponto faz sentido ser mais tradicional ou arrojado.

Qualquer que seja o modelo que escolher, é importante ter cuidado com as formatações, não encher demasiado as páginas com texto e deixar alguns espaços em branco. Numa pilha de dezenas de CV, uma página bonita e com um grafismo cuidado pode fazer toda a diferença.

 

3. Endereço de mail pouco (ou nada) profissional

Se o seu endereço de mail é qualquer coisa como pedrito_fixolas@gmail.com ou sandra_lindona4ever@hotmail.com, está na hora escolher um novo. Este tipo de endereço dá uma péssima imagem e com ele dificilmente alguém o levará a sério, até porque, afinal, parece que nem você mesmo o faz. Primeiro nome e apelido(s) é o que se espera encontrar num endereço de mail e nesta área não vale a pena tentar ser criativo.

 

4. Não personalizar

A ideia de que um CV é um documento fechado, estanque e que basta anexar como resposta a um anúncio é completamente errada. Para ter sucesso na sua busca de emprego, tem mesmo de personalizar o CV à medida de cada recrutamento, área a que se candidata ou função. Os recrutadores estão à espera que lhes mostre através do seu CV os motivos que fazem de si a pessoa certa para aquela empresa e função específica. E para tal, o seu CV tem de ser específico também.

Mais do que isso, o CV tem de conseguir captar a atenção do recrutador no pouco tempo que ele tem para se dedicar a fazer a primeira triagem. Se o documento está cheio de informação demasiado genérica ou irrelevante para o cargo, dificilmente se destacará no meio de tantos outros.

Perceba que competências estão a ser pedidas e qual o perfil procurado, e trabalhe o seu CV de forma a espelhar essas características.

 

5. Ausência das palavras-chave do anúncio

Certifique-se de que inclui no CV as palavras-chave que constam no anúncio a que está a responder. Se esta questão sempre foi importante, hoje é fundamental, já que cada vez mais empresas utilizam software específico para gerir o seu processo de recrutamento. Este tipo de software filtra as candidaturas através de keywords previamente definidas para cada função e se o seu CV não as incluir, muito provavelmente não passará da primeira triagem.

Perceba quais as palavras mais importantes do anúncio e inclua-as no CV, de forma natural (desde que correspondam à verdade, claro). Por exemplo, se o anúncio pede um redator com experiência internacional, fluência em inglês, criatividade e capacidade de resolver problemas, certifique-se de que inclui estes termos de forma a que o seu CV corresponda exatamente ao que é procurado. Terá muito mais hipóteses de sucesso se enviar dois ou três CV customizados do que se enviar 50, completamente genéricos.

 

6. Ser muito genérico

Com o seu CV tem de mostrar o que já conquistou até ao momento presente. Por exemplo “Trabalhei como gestor de um restaurante” diz muito pouco sobre as competências desenvolvidas nessa função. “Enquanto gestor, fui responsável pelo recrutamento, seleção, formação e gestão de mais de 30 funcionários num restaurante que faturou no ano passado 600 mil euros” – terá muito mais impacto e quantifica de forma mais precisa as suas competências.

 

7. Incluir demasiada informação

Um recrutador recebe dezenas ou centenas de CV por cada recrutamento. Dificilmente terá tempo ou paciência para ler o seu CV de fio a pavio. Não o mace com informação totalmente irrelevante e concentre-se antes em destacar aquilo que já fez e que pode acrescentar realmente valor à função a que se candidata.

Pode ser um fantástico cozinheiro de crepes franceses ou ter vendido limonada nas férias quando tinha 8 anos, mas isso não diz nada sobre as suas capacidades ou potencial para se tornar um profissional de excelência na empresa. Tente que o seu CV não tenha mais de duas páginas e certifique-se que toda a informação que contém contribui para ser recrutado.