A rápida aceleração da velocidade

A realidade atual das empresas é que já não têm ganhos de produtividade “apenas” com a automatização de processos. A automatização é um ponto absolutamente fulcral, mas já não pode ser o único. As empresas têm de ir mais longe. Dizer que “os mercados estão cada vez mais competitivos” é possivelmente o maior chavão do meio empresarial. Mas isso é apenas porque é a dura verdade. E essa dura verdade dita que as empresas têm cada vez mais desafios no que diz respeito à forma como se vão diferenciar. Sim, porque há coisas que nunca mudam – o ponto número n.º1 de sobrevivência e crescimento de uma empresa continua a ser a capacidade de se diferenciar da concorrência.
E sendo assim, como é que uma empresa encontra formas de se diferenciar no mercado atual? Talvez o principal caminho seja a velocidade. Se a empresa A for mais rápida do que a B, se inovar mais rápido, se responder mais rápido aos pedidos dos clientes, a empresa A vai ganhar.

Antigamente a empresa B ainda podia ter hipóteses (o que por vezes se denominava de “empresas tartaruga”, que podiam vencer as “empresas lebre”). Hoje já não há fábula que lhes valha, no mundo real os negócios precisam de agilidade.
A velocidade é, e tudo indica que no futuro será ainda mais, um fator crítico de sucesso das empresas.
Pense assim, em vez de falar em “empresas ultrarrápidas que estão sempre com prego a fundo”, vai passar a falar em… “empresas”.

No Brasil, a simples falta de um plano nacional de banda larga para aumentar a velocidade da internet para as empresas é considerado um fator real de perda em relação aos países vizinhos.*

A velocidade é um conceito lato. No meio empresarial pode ser aumentada de várias formas e pode ser medida através de muitas variáveis. Cada departamento, cada secção dentro de um escritório pode ter a sua noção do que é alta velocidade. Todas as noções são potencialmente válidas. E mais importante ainda, todas devem ser objeto de estudo para serem implementadas.

Claro que há conceitos que são universais. No universo das TI, por exemplo, há um bastante intuitivo: consegue-se um aumento dramático da velocidade através da implementação de um sistema de informação. Quer seja com software de gestão ou outro tipo, esta é uma forma imediata de garantir a rapidez de execução. Até porque essa rapidez geralmente difunde-se de forma transversal por toda a empresa.

Mas a velocidade pode (e deve) ser aumentada através das implementações mais simples. Um exemplo entre muitos, o recurso a um template de dados ou de documentos. Estas ferramentas elementares fazem com que o sistema crie uma base por defeito, sendo apenas necessário ao utilizador adaptar os dados correspondentes a cada novo caso. E se acha que o exemplo dos templates não compensa, porque o ganho de tempo é de “apenas” alguns décimos de segundo, pense novamente. Extrapole esses décimos de segundo para milhares de documentos, multiplique por centenas de utilizadores e volte a multiplicar por dezenas de templates para outros tantos tipos de documentos. De repente, e sem grande esforço, alguns décimos de segundo tornam-se em dias e em semanas de ganho de produtividade.

Durante quase todo o século XX, a IBM conseguiu dominar o comércio de impressoras principalmente devido às sucessivas tecnologias que permitiam aumentar a velocidade de impressão.*

Outra fonte de velocidade é a formação. Ou se preferir numa palavra mais abrangente, a informação. O conhecimento é de facto um instrumento poderoso, pois permite dominar técnicas, matérias, ferramentas – e quem tem esse domínio executa de forma mais rápida. Informe-se tanto quanto puder sobre as suas ferramentas. Peça formações aos fornecedores. Ou tire-as por sua iniciativa. Dê-as aos seus colaboradores. Um elemento essencial que obtém em troca do seu dinheiro em formação é mesmo mais velocidade.

Uma última ideia, responda aos seus Clientes tão rapidamente quanto possível. Este ponto é extremamente importante. A rapidez no suporte aos Clientes é um dos principais fatores para a sua fidelização. Pode ler mais sobre este tema neste artigo. Os consumidores de hoje estão cada vez mais exigentes. Consideram ter o direito de obter tudo de forma imediata. E quando se fala de uma empresa que responde aos Clientes nas redes sociais, a urgência é ainda maior. Tem de ser sempre já. Agora. Imediatamente.

A palavra wiki vem do havaiano wiki-wiki e significa “rápido”. Por esta razão, foi escolhida para ser a raiz da enciclopédia livre Wikipédia. Ao somar-se o sufixo fica “rapidez de conhecimento”.*

Em resumo, com uma melhor capacidade dos seus recursos, humanos e outros, e uma melhor gestão de informação, vai conseguir aumentar a velocidade da sua empresa. E com esse aumento vêm ganhos de produtividade. A velocidade está a “acelerar”. Está cada vez mais rápida. A sua empresa tem de ser capaz de acompanhar este ritmo supersónico. Não perca este comboio. Até porque é um “comboio de alta velocidade”.

Algumas curiosidades adicionais que ajudam a ilustrar a importância da velocidade no mundo:

A (falta de) velocidade impede a exploração espacial em tempo útil. Os atuais foguetes tripulados demorariam 70.000 anos para chegar às estrelas mais próximas.

Uma das razões para o poder destrutivo dos vulcões é a sua velocidade de ejeção de material, normalmente acima dos 3.000 km/h.

Em 1995, o ciclista profissional mais velho do mundo recorreu à velocidade para conseguir estabelecer um recorde do mundo: 268,6 km/h em cima de uma bicicleta.

O supercomputador chinês Tianhe-2 é atualmente considerado o mais rápido do mundo, com uma capacidade de cálculo de 33.86 petaflops (33,86×1015 ciclos, ou se preferir, mais de 33 quatrilhões de cálculos em cada segundo).

 

*Fontes:
http://www.mdig.com.br
http://en.wikipedia.org
http://www.buyprinters.com.au
http://cio.com.br